Museu Nacional - UFRJ

Os povos da floresta equatorial

Há mais de mil anos, a floresta equatorial - cortada pelos rios Congo e Lualaba - era ocupada por povos nômades e coletores, ancestrais dos atuais povos Bantu. Eles começaram a migrar do centro do continente para oeste, até chegarem ao litoral atlântico. Pelo caminho foram se misturando com os povos locais, ensinando a agricultura e a metalurgia e estabelecendo novos povoados. Aqueles que permaneceram nômades na floresta ficaram pejorativamente conhecidos como pigmeus.

Esse conjunto de povos ocupa hoje toda a floresta e seu entorno (Camarões, Guiné Equatorial, Gabão, República do Congo, República Democrática do Congo e Angola). Apesar da proximidade linguística, eles tem organização social e culturas bem distintas. Dessa região saíram os escravos conhecidos no Brasil como congos, loangos e angicos.

Durante a ocupação colonial, os exploradores europeus, especialmente estudiosos e comerciantes de arte, tomaram os objetos da cultura material desses povos, colecionaram e divulgaram por todo o mundo. Assim, foram criadas as primeiras coleções etnográficas e artísticas africanas que conhecemos hoje. Os objetos aqui apresentados pertenceram aos povos que habitavam os territórios ocupados pelos alemães (atual Camarões), belgas (atual República Democrática do Congo) e franceses (República do Congo). Quase todos chegaram ao Museu Nacional através de permutas, por meio das quais objetos indígenas do Brasil e objetos africanos foram trocados por instituições museológicas.


« Voltar | Voltar ao Topo


Localização

Quinta da Boa Vista, São Cristóvão

Rio de Janeiro - RJ

CEP: 20940-040

(Veja no Google)

Expediente

As exposições do Museu

estão abertas todos os dias.

Clique abaixo para detalhes do horário.

(Ver horários)

Contato

Informações: museu@mn.ufrj.br

Sugestões: museu.virtual@mn.ufrj.br

Assessoria de Imprensa: imprensa@mn.ufrj.br

Visitas em Grupo: agendamento.nap@mn.ufrj.br