Museu Nacional - UFRJ

 Apis mellifera  

  

Foto Apis mellifera

 

Nome científico: Apis mellifera  (Linnaeus, 1758)

Família: Apidae

Nomes populares: Abelha do mel, abelha européia.

Distribuição: Europa, África, Asia, América e Oceania. No Brasil encontra-se em todo o país.

Características: É uma abelha social de porte médio (12-13mm) que têm a incrível capacidade de visitar cerca de 10 flores por minuto para coletar pólen e néctar, e em alguns casos polinizá-las. Vive em colônias com a presença de uma rainha, operárias e zangões.  As tarefas na colmeia são todas muito bem divididas. As operárias diferenciam-se dos machos por apresentarem ferrão. A função dos machos é apenas de fecundar a rainha, sendo alimentados às vezes pelas operárias. A rainha é consideravelmente maior que as operárias e é a única fêmea da colmeia com capacidade de reprodução. Quando atinge o nono dia de vida adulta a rainha está pronta para o seu primeiro vôo nupcial, onde voa o mais alto que pode e é fecundada pelo zangão que conseguir alcançá-la. As operárias protegem a colmeia e utilizam seu ferrão em situações de perigo. Quando são ameaçadas elas dão ferroadas, mas pela morfologia do ferrão ele fica preso no corpo da vítima desprendendo-se do corpo das operárias junto com seus intestinos, levando-as à morte. Uma colônia de abelhas pode coletar até 40 kg de pólen por ano. Na colmeia o pólen, utilizado para alimentar as larvas, não é estocado em grande quantidade como o mel, deste  modo, há necessidade constante de repor o estoque, por isso, as abelhas podem procurar seu alimento proteico (pólen) em distâncias bem maiores do que procuram o alimento energético (néctar). Antes do pólen ser estocado na colmeia é tratado com uma substância oriunda da secreção da glândula mandibular, cuja função, é evitar a germinação do pólen. O pólen sofre ainda, um processo de fermentação realizado por microorganismos, facilitando assim a sua ingestão e digestão.

No Horto: Foram observadas visitando flores das seguintes espécies: Couroupita guianensis, Dombeia walichii, Cordyline fruticosa, Sphagneticola trilobata, Psychotria carthagenensis, Turnera subulata, Jatropha curcas, Eugenia uniflora, Tripodanthus acutifolius, Schinus terebinthifolia, Adonidia merrillii, Peltophorum dubium, Gustavia augusta, Ziziphus jujuba, Duranta erecta, Chloroleucon tortum, Coccoloba declinata e Inga laurina.

 

 

Voltar ao Topo


Localização

Quinta da Boa Vista, São Cristóvão

Rio de Janeiro - RJ

CEP: 20940-040

(Veja no Google)

Expediente

Nossas exposições estão fechadas ao

público por tempo indeterminado em

virtude do incêndio que destruiu

grande parte de nossas coleções.

Contato

Informações: museu@mn.ufrj.br

Direção: falecomdiretor@mn.ufrj.br

Assessoria de Imprensa: imprensa@mn.ufrj.br

Visitas em Grupo: agendamento.nap@mn.ufrj.br

Copyright © Museu Nacional/UFRJ

WEBDESIGNER: Jenyfer Lima