Museu Nacional - UFRJ

Caesalpinia echinata

  

       caesalpinia echinata


Nome científico: Caesalpinia echinata Lam.

Família: Fabaceae, Caesalpinioideae.

Nomes populares: Pau-brasil, ibirapitanga, orabutã, brasileto, ibirapiranga, ibirapita, ibirapitã, muirapiranga, pau-rosado, pau-de-pernambuco.

Origem: Brasil 

Distribuição geográfica: Ceará ao Rio de Janeiro na floresta pluvial atlântica sendo particularmente frequente no sul da Bahia.

Altura média: 10-15m

Características morfológicas: Apresenta espinhos no tronco e nos ramos; folhas de notável valor ornamental devido à coloração verde intensa e brilhante, muito ramificada; flores muito perfumadas, de cor amarela com uma das pétalas diferenciada no formato e com uma mancha vermelha intensa ou escuro-avermelhada no centro; frutos apresentam abertura explosiva jogando as sementes a longa distância.

Cultivo: O desenvolvimento da muda é rápido, ficando prontas para o plantio no campo em 4-5 meses. O desenvolvimento da planta é moderado. Prefere ambientes com alta luminosidade. 

Período de florescimento e frutificação: Floresce a partir do final de setembro até outubro a novembro e a maturação dos frutos ocorre de novembro a janeiro. 

Utilidades econômicas: A madeira tem coloração laranja brilhante, tornando-se vermelho ou marrom avermelhado com a exposição ao ar, é utilizada na confecção de arcos de violino, também na construção civil e naval. O corante vermelho extraído do lenho foi utilizado pelos indígenas para a produção de corantes e a partir de 1501 foi utilizada na tinturaria de tecidos e na fabricação de tinta para escrever. Amplamente cultivada como ornamental em parques e jardins públicos. 

Propriedades medicinais: Adstringente, contra diarreias e disenterias, além de fortalecimento da gengiva.

Características interessantes:Sua exploração intensa gerou muita riqueza ao reino português e caracterizou um período econômico de nossa história, que estimulou a adoção do nome Brasil ao nosso país. Devido à super-exploração, a espécie quase foi extinta por volta de 1920 e atualmente é considerada em perigo de extinção. As flores são polinizadas por abelhas.

No Horto: Existem quatro indivíduos. Não foi observado floração. Todos os indivíduos estão muito sombreados por árvores mais altas.

 

 


Voltar ao Topo


Localização

Quinta da Boa Vista, São Cristóvão

Rio de Janeiro - RJ

CEP: 20940-040

(Veja no Google)

Expediente

As exposições do Museu

estão abertas todos os dias.

Clique abaixo para detalhes do horário.

(Ver horários)

Contato

Informações: museu@mn.ufrj.br

Direção: falecomdiretor@mn.ufrj.br

Assessoria de Imprensa: imprensa@mn.ufrj.br

Visitas em Grupo: agendamento.nap@mn.ufrj.br

Copyright © Museu Nacional/UFRJ

WEBDESIGNER: Jenyfer Lima