Cachalote


Foto da Baleia Cachalote
Foto da baleia cachalote: Nuno Vasco Rodrigues

Os cachalotes são os maiores cetáceos com dentes (Odontoceti) e são, também, os maiores carnívoros do planeta de todos os tempos, maiores até que os dinossauros T. rex e Spinosaurus. O comprimento dos machos varia de 15 a 20 m, e o das fêmeas, de 12 a 14m. Os maiores indivíduos machos chegam a pesar 80 toneladas. Os filhotes nascem com cerca de 4 a 5 m e com 1 tonelada.

A cor da pele é cinza escuro e, enquanto a maioria das baleias têm pele lisa, a do cachalote é rugosa. A cauda é formada por uma grande nadadeira bifurcada, usada para propulsão na água, auxiliada pelos membros anteriores, com forma de nadadeiras. Como nos demais cetáceos, seus membros posteriores são vestigiais.

O nome científico do cachalote é Physeter macrocephallus. O termo macrocephalus, vem do grego e significa literalmente, “cabeça grande”. De fato, a cabeça dos cachalotes tem cerca de 2,5m, ocupando mais de um terço do comprimento total do corpo. Seu cérebro pesa em média 7,8 Kg, sendo o maior dentre todos os animais viventes ou extintos! Já Physeter, se refere à grande abertura no topo da cabeça, denominada espiráculo. Outra feição que chama atenção na cabeça do cachalote é o melão, um órgão relacionado à função de ecolocalização, que armazena uma substância muito gordurosa denominada espermacete. O som emitido pelos cachalotes é um clique rápido (que dura de 15 a 30 milésimos de segundo) que lembra uma porta rangendo. Os sons dos cliques batem nos objetos dentro d’água e ecoam de volta, como um biossonar, o que permite ao animal estimar a distância e o tamanho desses objetos.

Apesar de terem respiração pulmonar, como todos os mamíferos, eles conseguem permanecer até 50 min sem ter que voltar à superfície para respirar. A sua fonte principal de alimento são as lulas gigantes, que podem atingir 18 m de comprimento, e que vivem em águas profundas. Já foram registrados cachalotes a mais de 1.000 m de profundidade. Habitam mares do mundo inteiro e fazem migrações sazonais para alimentação e reprodução. Na costa brasileira, costumam aparecer no Nordeste, mas já foram avistados mais ao sul, até Santa Catarina.

imagem da calda da baleia cachalote

1 - Espiráculo

Este é um canal que faz comunicação com as narinas, que se situam mais internamente no topo do crânio. O espiráculo está localizado na região da frente da cabeça, levemente deslocado para a esquerda. Isso faz com que o esguicho que sai do espiráculo seja projetado para frente. Este esguicho é resultado da condensação do ar quente dos pulmões, que é expelido rapidamente, junto com a água que se acumula na abertura do espiráculo.

2 - Alimentação

Os cachalotes têm dentes só na mandíbula, os quais se encaixam em cavidades (alvéolos) no céu da boca. O número de dentes varia entre 36 e 60. Como curiosidade, o nome popular cachalote vem de cachalot, do francês antigo, que significa "dente grande". A fonte principal de alimento dos cachalotes são as lulas gigantes, que podem atingir 18 m de comprimento, e que vivem em grandes profundidades. Além delas, outras lulas, polvos, tubarões e peixes, como merluza, são também predados por cachalotes. O único predador natural do cachalote é a orca ( Orcinus orca ), um Odontoceti da família dos golfinhos. Bandos de orcas atacam, em geral, fêmeas de cachalotes com filhotes.

3 - Reprodução

Fêmeas e filhotes vivem em bandos, enquanto machos adultos são solitários. Cada fêmea dá à luz a um filhote a cada quatro anos e a gestação dura 18 meses. O filhote é amamentado por dois anos, em média. A maturidade sexual é atingida por volta dos nove anos, mas o crescimento do animal continua até os 25 anos. Os indivíduos mais velhos vivem até os 70 anos.

4 - Audição e ecolocalização

O som é produzido pela laringe e é amplificado quando passa através do melão (órgão no topo da cabeça que contém o espermacete). O som emitido se manifesta como um clique, que lembra uma porta rangendo. Há vários padrões de cliques, que são utilizados para comunicação, identificação de outros indivíduos e busca por presas. As ondas sonoras produzidas nos cliques viajam na água até encontrar um objeto ou corpo de outro animal, ecoando de volta para o cachalote. A captação do som se dá pela mandíbula, que vibra e transmite o som para o ouvido interno, que é uma estrutura alojada em uma cápsula óssea na região inferior da cabeça. O ouvido então codifica o som e envia as informações para o cérebro, possibilitando a estimativa dos objetos que estão à volta do animal (tamanho, densidade, textura, distância etc.). Esse processo é chamado de ecolocalização ou biossonar.



O som emitido pelos cachalotes pode ser ouvido clicando no botão de play abaixo: